Aventuras da Dona Quiltéria

Para aqueles que ainda não conhecem, posto a história do seo Trapunto e sua esposa, dona Quiltéria.
Por Juliana Vermelho Martins.

Diretamente do divã do psicanalista:
CASO SÉRIO

“ – Então, Sr. Trapunto, o que posso fazer pelo senhor?”
Eu vou lhe contar tudo, desde o início…
Quiltéria, minha mulher, sempre gostou de artesanato. Adorava freqüentar feirinhas, comprava coisas pra alegrar a casa, até fazia um bordado de ponto cruz de vez em quando. Um dia, uma amiga que tinha chegado dos Estados Unidos trouxe uma revista. Uma simples revista. Inofensiva. Pelo menos, era o que eu pensava…
Já estávamos casados há alguns anos, dois filhos, tudo ia bem na nossa vida. Mas aquela revista… Era uma revista de decoração em estilo country. Quiltéria ficou encantada com umas colchas e falou:
” – Nossa! Que lindo isso!! Será que é difícil de fazer?”
E a amiga disse:
” – Acho que não. Olha só, aqui no final da revista tem uns moldes e umas explicações. Eu te empresto a revista e você tenta.”
Ela deixou a revista num canto e ficou se enrolando uns tempos. Até que vieram as férias e ela reclamou que estava sem saber o que fazer nos dias que passaríamos na praia. E eu sugeri:
” – Por que você não tenta aqueles trabalhos da revista que a sua amiga te emprestou? Faz semanas que está aí. Se não for pra fazer é melhor devolver.”
Quando penso que EU sugeri! Não consigo me conformar…
Ela saiu, comprou uns panos e, no final de uma tarde, tinha um pegador de panelas pronto. Me mostrou, orgulhosa do resultado e eu incentivei. EU INCENTIVEI!!! Mesmo não entendendo nada de costura dava pra ver que não tinha ficado lá essas coisas, e a confirmação veio quando, na primeira lavada, o negócio praticamente se desintegrou. Mas ela estava empolgada e já tinha descoberto um curso numa loja de tecidos. O curso durava oito semanas, só que ela convenceu a professora de que não poderia, por causa do trabalho, fazer nesse prazo. Precisava fazer em quatro, já que seria só pra ter as bases mesmo, era só um hobby, não era?
Foi aos poucos. Eu nem percebi. Hoje eu olho pra trás e tento identificar o momento em que tudo começou, mas não consigo… No começo foi legal, ela estava empolgada, alegre. Logo terminou uma manta, “um sampler”, ela disse. Comecei a ouvir as conversas dela pelo telefone com as amigas e vi que era uma linguagem incompreensível pra mim:
” – Oi! Terminei meu quillow! Sério. Não, quiltado à mão! Juro! Uns blocos em foundation outros em apliqué, com as bordas mittered. É verdade! Tô tão orgulhosa… Agora estou aqui pensando se faço uma colcha em Baltimore ou um panô em Bargello. O que você acha?”
Quillow? Quilt? Foundation? Bargello? Baltimore, pra mim sempre fora uma cidade dos Estados Unidos, mas, aparentemente, eu estava enganado.
Nossa comunicação estava começando a ficar difícil. Mas o pior nem era isso… O problema era a invasão silenciosa da nossa casa. Aos poucos começamos a encontrar tecidos, livros, e todo tipo de material de costura em todos os cantos. Sentar no sofá era um perigo! Ser picado por uma agulha era o mínimo que podia acontecer. Isso, claro, quando a gente conseguia um espaço pra sentar. Geralmente tudo estava tomado pelo estojo de costura, o bastidor e a colcha King Size que ela estava quiltando.
Andar descalço era uma temeridade. Alfinetes malignos e mal intencionados insistiam em chamar a atenção para o fato de estarem caídos pelo chão e pediam pra serem levados pra caixinha usando, pra isso, de meios sórdidos como se enfiarem nos nossos calcanhares que doíam pra caramba! Nem Aquiles suportou um ataque covarde no calcanhar, que dirá nossos pobres calcanhares mortais…
A estante foi tomada pelos livros e revistas de patchwork que chegavam dentro de sacolas a cada vez que ela saía e passava numa livraria: “Estava em promoção, olha só!” Mas também pelo correio, com as coisas que ela pedia pela internet. “Você sabia que livros NÃO PAGAM imposto de importação? Não é o máximo?”
Tecidos então… Estavam por tudo. Acho que algum cientista ainda vai descobrir que tecidos têm vida própria e que, ainda por cima, se reproduzem! Afinal, como explicar as vezes em que eu fui buscar uma toalha de banho no escuro e descobri ao acender a luz que era um tecido de florzinhas roxas? Sem contar que, quando ela viu, deu um grito e disse:
” – O QUÊ?! Você não está pensando em se enxugar com meu tecido Debbie Mumm novinho, né?”
Não sei quem é essa Debbie-não-sei-o-quê, mas deve ser alguém muito importante… Muito mais do que eu e nossos filhos, que a essas alturas já não tinham roupas limpas porque os tecidos tomavam conta dos varais. E quando esses acabaram, das portas, das janelas e de onde mais fosse possível pendurar alguma coisa.
” – A gente tem de lavar os tecidos antes de usar pra soltar toda a tinta e encolher tudo o que for necessário, senão o trabalho fica horrível depois.”
Horríveis, na verdade, tinham ficado nossas refeições…
Primeiro, Quiltéria começou a fazer só pratos super rápidos (afinal, tinha ficado costurando até as barrigas roncarem mais alto do que a máquina de costura). Depois começaram os PFs (pratos feitos), já que não tinha nenhum espaço na mesa que não fosse tomado por moldes, tecidos, régua, tesouras, alfinetes, etc., etc., etc. Sobravam exatos 10cm de mesa, suficientes, quando muito, pra colocar um pratinho de sobremesa pra cada um. E ai de quem respingasse uma só gota de qualquer coisa naquilo tudo!
Num domingo, estávamos todos em casa quando, de repente, tocou um despertador. Eu levei um susto! Perguntei porque o despertador estava tocando no meio da tarde e não acreditei na resposta que ela deu sem nem levantar os olhos do EPP que estava fazendo:
” – Ah! É o horário de ir buscar as crianças na escola. Eu coloquei pra despertar pra eu não esquecer… Você sabe, quando eu pego numa costura não vejo a hora passar!”
E tem mais! Nos armários, começaram a aparecer sacolas e mais sacolas. Aliás, as sacolas estavam também na sala, ao lado do sofá, no nosso quarto, ao lado da cama, na área de serviço… Essas sacolas eram um mistério para mim, até que um dia interceptei uma conversa, e vi que a coisa era ainda pior do que eu imaginava!
” – Tô arrasada. Tenhos uns 10 UFOs aqui em casa! Não, ainda não consegui dar um fim naquele da sala, acredita? Só faltam as flores de fuxico e o viés e eu não me animo! Não, não é nem mais um WIP, já é UFO mesmo! O problema é que tem pelo menos uns outros 10 projetos que eu quero começar, mas estou me segurando. Então, menina, tem aquela revista japonesa que tem umas bolsas em chenille que são demais! Mas eu já disse que só pego na bolsa depois de terminar pelo menos aquela aplicação em freezer paper que está me esperando há séculos no quarto!!! Aliás, freezer paper, não! AVBond*Paper! Nacional e muito melhor!!! ”
Dentro das sacolas tinham UFOs?!!! Minha mulher estava recebendo marcianos em casa e ainda fazendo fuxicos com eles? Logo ela, que nunca foi de falar mal da vida de ninguém! Será que ela estava a ponto de ser abduzida?! E que história era aquela de coisa congelada no quarto? Talvez fosse esse tal de WIP, de quem eu nunca ouvi falar! E quem é esse Bond Não-sei-das-quantas?! Será que ela agora também era espiã? E se a polícia baixasse aqui em casa? A NASA, a CIA, o FBI? Já estava até vendo a cena… Helicópteros sobrevoando a casa, as crianças apavoradas num canto e aqueles homens em macacões e capacetes de astronauta entrando na casa, vasculhando tudo e dizendo:
” – Soubemos que a dona desta casa trabalha como espiã e mantém WIPs congelados no quarto, enrolados em papel pra freezer, além de ter UFOs reféns, presos em bolsas de chenille.” (Chenille, o que é isso, meu Deus?!).
E ela, com ar de desdém:
” – Humpft! Esse macacão deles podia pelo menos ter um quiltzinho à máquina!”
Achei que aquilo tudo já estava indo longe demais! Falei com ela, tentei ser compreensivo. Disse que estava sentindo falta dela, de passearmos juntos, só nós dois, propus uma viagem. Ela relutou por uns tempos, mas depois aceitou. Ficou bem feliz com a idéia. Feliz demais, até. Eu devia ter desconfiado… Ela disse que organizaria tudo, que passaríamos 4 dias num lugar bem romântico. Era novembro e nós fomos… pra Gramado!!! Na volta, ela dizia pra todo mundo:
” – Não sei porque ele ficou tão bravo! A gente saiu pra passear todas as noites! E depois, ele reclama tanto que trabalha demais, que está sempre cansado… Quando eu arranjo dias inteiros pra ele ficar de papo pro ar, sem fazer nada, dormindo até tarde, ele acha ruim! Agora, amiga, vou te contar: o festival é TU-DO-DE-BOM!!! ”
Comecei a ficar desesperado! Procurei os maridos das amigas dela e vi que todos estavam na mesma situação. Criamos um grupo de auto-ajuda, e nos reuníamos, enquanto elas quiltavam, pra trocar experiências. As histórias eram escabrosas!
” – Levei minha mulher pra uma viagem à Itália pra ver se ela se desligava um pouco. Quando entramos na Basílica de São Marcos, em Veneza, ela deu um grito e caiu de quatro! Ficou o tempo todo olhando só para o chão. Disse que era uma fonte de inspiração infinita pras colchas dela. Quis tirar foto, era proibido, então ela se ajoelhou e ficou desenhando, tirando os modelos. Todo mundo olhando pras obras de arte, pros mosaicos, e ela ali, copiando o chão! E foi a mesma coisa em todas as outras cidades, Milão, Florença… Eu já não sabia mais o que fazer. Nosso álbum de fotos só tem foto de chão!!! Agora ela só fala em participar de um cruzeiro nas Bahamas. Patchwork em regime de confinamento!”
” – Comigo foi pior! Tinha uma obra perto de casa. Uma nova linha de ônibus. Eles estavam instalando os postes de luz e os tais postes vinham embrulhados em um tipo de feltro, sei lá. Só sei que ela foi até o meio da obra, uma rodovia! E saiu carregando uns 10 metros daquele feltro todo sujo de lama! Eu perguntei: ‘ – E se a polícia te pega roubando material na rua?’ E ela disse: ‘ – Imagine! Eles iam JOGAR FORA! Quer heresia maior do que jogar tecido fora?! E dá uma fibra excelente pra usar nos meus sanduíches!’ Eu fiquei em pânico pensando que a gente ia começar a comer tecido também, mas ela me acalmou dizendo que era outro tipo de sanduíche… ”
” – Isso não é nada! Minha mulher voltou a estudar inglês. Eu fiquei contente porque pensei que, enfim, ela estava se libertando dessa coisa. Nada disso! Ela voltou a estudar inglês pra poder assistir um canal americano de patchwork pela internet! 24 horas por dia! Isso sem falar numa Universidade do Quilt, também americana, também por internet. O que é que eu vou fazer?”, e começou a soluçar.
Os outros maridos, penalizados, ofereceram mais uma cerveja e suspiraram em uníssono! Todos sabiam muito bem o poder da Internet! E agora, depois do tal de Orkut, as coisas tinham piorado! Um deles andou bisbilhotando o perfil da mulher e descobriu que ela agora se autodenominava “Serial Quilter” e que fazia parte de uma comunidade (que ele já estava a ponto de chamar de ‘seita’) chamada (com muita razão, diga-se de passagem) de Patchahólicas Anônimas!!! É o fim!
” – É por isso que eu vim aqui, Doutor. Vim para saber se isso tem cura, se tem alguma coisa que eu possa fazer pela minha mulher!”
O médico era um especialista. Uma das maiores referências nacionais em Psiquiatria. Esse médico era realmente a última esperança de toda a família. Depois de escutar toda a história em silêncio profundo, com os braços cruzados sobre o peito e o olhar grave, o médico apoiou os cotovelos sobre a mesa, respirou fundo e disse:
” – Bem… Por acaso o senhor não poderia me dar o endereço desse grupo de maridos? Minha mulher também faz patchwork!!!!”.
E começou a chorar.

2 Respostas

  1. Oi Janaína

    Que legal encontrar essa história aqui no seu cantinho!

    Bjs

    Juliana

  2. Muito, muito bom!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: